Email: Senha:
Cadastrar Esqueci a senha 

Capítulo anterior
Papiloscopia
Capítulo atual
Equipamentos em antropologia forense
Próximo capítulo
Secador de ossos programável

abrir box

Índice
Artigos

1 Autor: Cássio Thyone Almeida de Rosa - Incluido em 23/04/2013 22:07:39; Atualizado em 23/04/2013 22:07:39 PERÍCIA CRIMINAL: A ÚLTIMA FRONTEIRA DA ELITIZAÇÃO DA JUSTIÇA?
2 Autor: Neri Tadeu Camara Souza - Incluido em 30/12/2005 12:36:53; Atualizado em 30/12/2005 12:36:53 ERRO MÉDICO E CIRURGIA PLÁSTICA
3 Autor: Neri Tadeu Camara Souza - Incluido em 30/12/2005 12:17:27; Atualizado em 30/12/2005 12:17:27 ERRO MÉDICO E 2005
4 Autor: NERI TADEU CAMARA SOUZA - Incluido em 07/07/2004 21:32:36; Atualizado em 07/07/2004 21:32:36 ERRO MÉDICO E RESPONSABILIDADE CIVIL
5 Autor: Paulo Roberto Silveira - Incluido em 10/05/2004 00:16:33; Atualizado em 10/05/2004 00:20:41 O QUE É HEMORRAGIA SUBARACNÓIDEA
6 Autor: Neri Tadeu Camara Souza - Incluido em 04/05/2004 03:06:45; Atualizado em 30/07/2008 22:53:40 ERRO MÉDICO E CONSENTIMENTO INFORMADO
7 Autor: Malthus Galvão e Gilberto Carvalho - Incluido em 25/10/2003 13:50:58; Atualizado em 13/06/2021 17:14:29 CONHECIMENTO SOBRE COMPETÊNCIAS DOS PROFISSIONAIS DA ODONTOLOGIA
8 Autor: José Galba de Meneses Gomes - Incluido em 13/09/2003 23:00:38; Atualizado em 13/09/2003 23:01:39 SALA DE ESPERA: ESTUDO DA PERCEPÇÃO DOS USUÁRIOS DE CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS
9 Autor: Neri Tadeu Camara Souza - Incluido em 03/09/2003 00:37:41; Atualizado em 05/10/2003 19:28:13 ERRO MÉDICO E PRESCRIÇÃO
10 Autor: Antônio Carlos Rodrigues da Cunha - Incluido em 10/08/2003 18:44:52; Atualizado em 10/08/2003 18:48:15 EPIDEMIA DE LAQUEADURAS - POUCA INFORMAÇÃO
11 Autor: Robson Tadeu de Castro Maciel - Incluido em 05/08/2003 09:13:24; Atualizado em 05/08/2003 09:34:58 FATORES DE RISCO NA OCORRÊNCIA DE LESÕES FACIAIS EM TRABALHADORES “OFFSHORE”
12 Autor: Neri Tadeu Camara Souza - Incluido em 13/07/2003 16:05:56; Atualizado em 24/07/2003 16:06:14 EUTANÁSIA - ASPECTOS JURÍDICOS
13 Autor: Neri Tadeu Camara Souza - Incluido em 03/06/2003 15:21:30; Atualizado em 16/03/2011 00:42:57 ERRO MÉDICO E DANO MORAL
14 Autor: Paulo Roberto Silveira - Incluido em 21/03/2003 15:13:53; Atualizado em 21/03/2003 15:13:53 O QUE SE DEVE SABER SOBRE O EXAME NEUROLÓGICO
15 Autor: Paulo Roberto Silveira - Incluido em 21/03/2003 15:07:37; Atualizado em 21/03/2003 15:09:06 COMO FAZER O EXAME PSIQUIÁTRICO
16 Autor: Neri Tadeu Camara Souza - Incluido em 30/01/2003 21:28:24; Atualizado em 24/07/2003 16:08:39 ERRO MÉDICO E O NOVO CÓDIGO CIVIL
17 Autor: Paulo Roberto Silveira - Incluido em 22/11/2002 20:03:38; Atualizado em 22/11/2002 20:06:26 O QUE SE DEVE SABER SOBRE A EPILEPSIA NA INFÂNCIA
18 Autor: Paulo Roberto Silveira - Incluido em 16/10/2002 23:52:14; Atualizado em 16/10/2002 23:52:14 PARA ENTENDER O ELETROENCEFALOGRAMA (E.E.G.)
19 Autor: Elza Maria de Araújo Conceição - Incluido em 11/10/2002 08:59:59; Atualizado em 11/10/2002 08:59:59 PARECER CFO - INCINERAÇÃO DE PRONTUÁRIOS DE PACIENTES DE CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO
20 Autor: Paulo Roberto Silveira - Incluido em 20/09/2002 22:58:10; Atualizado em 05/10/2002 14:31:48 PSICOSE ORGÂNICA
21 Autor: Paulo Roberto Silveira - Incluido em 06/08/2002 10:58:10; Atualizado em 06/08/2002 10:58:10 CONCEITO E CLASSIFICAÇÃO DAS EPILEPSIAS
22 Autor: Paulo Roberto Silveira - Incluido em 06/08/2002 10:40:16; Atualizado em 06/08/2002 10:40:16 O QUE DEVEMOS SABER SOBRE A EPILEPSIA?
23 Autor: Gilberto Paiva de Carvalho - Incluido em 22/07/2002 09:16:20; Atualizado em 22/07/2002 09:21:08 AVALIAÇÃO DE PRONTUÁRIOS CLÍNICOS EM ODONTOLOGIA
24 Autor: Jocemara Marcondes Gomes - Incluido em 04/07/2002 00:26:29; Atualizado em 04/07/2002 00:28:17 CONSENTIMENTO ESCLARECIDO
25 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 27/06/2002 20:47:38; Atualizado em 27/06/2002 20:47:38 DEVERES DE CONDUTA EM ANESTESIA PERIDURAL
26 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 25/06/2002 11:51:38; Atualizado em 21/09/2002 23:16:29 DANO CORPORAL DE NATUREZA ADMINISTRATIVA(*)
27 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 25/06/2002 11:43:21; Atualizado em 25/06/2002 11:43:21 AS RAZÕES DO CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA DE 1988 (*)
28 Autor: Jocemara Marcondes Gomes - Incluido em 23/06/2002 12:29:29; Atualizado em 23/06/2002 12:31:46 RESPONSABILIDADE CIVIL ODONTOLÓGICA E OS INSTITUTOS DE REPRESENTAÇÃO DO CONSUMIDOR
29 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 16/06/2002 19:06:28; Atualizado em 16/06/2002 19:06:28 OS RISCOS DA MEDICINA BASEADA EM EVIDÊNCIAS
30 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 16/06/2002 19:00:51; Atualizado em 19/09/2007 21:14:09 O CÓDIGO DO CONSUMIDOR E SUAS IMPLICAÇÕES ÉTICO-LEGAIS NO EXERCICÍO MÉDICO
31 Autor: Cléber Bidegain Pereira, C.D. - Incluido em 02/05/2002 20:14:34; Atualizado em 14/05/2002 16:47:47 ENTREVISTA SOBRE INFORMÁTICA APLICADA À ODONTOLOGIA
32 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 30/04/2002 07:57:35; Atualizado em 21/09/2002 23:17:51 NOS LIMITES DO FIM DA VIDA: UM ITINERÁRIO DE CUIDADOS (*)
33 Autor: Malthus Fonseca Galvão - Incluido em 02/04/2002 02:09:27; Atualizado em 02/04/2002 02:09:27 PERÍCIA CRIMINAL ODONTOLÓGICA – ATO DO CIRURGIÃO-DENTISTA
34 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 16/03/2002 21:43:17; Atualizado em 16/03/2002 21:43:17 POLÍTICA DE PREVENCIÓN DEL RIESGO DE MALA PRAXIS
35 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 12/02/2002 23:26:43; Atualizado em 12/02/2002 23:29:22 SOCIALIZACIÓN DEL RIESGO MÉDICO (*)
36 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 12/02/2002 23:18:32; Atualizado em 12/02/2002 23:19:23 UM AUTOR E SUA PREOCUPAÇÃO COM AS TOXICOFILIAS
37 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 12/02/2002 23:10:17; Atualizado em 12/02/2002 23:11:36 DEBERES DE CONDUCTA DE LOS PROFESIONALES DE LA SALUD
38 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 27/12/2001 21:37:28; Atualizado em 21/07/2008 13:25:33 DEVERES DE CONDUTA DO PERITO E DO AUDITOR
39 Autor: Roberto Lauro Lana - Incluido em 27/12/2001 13:07:27; Atualizado em 27/12/2001 13:07:27 "MANAGED CARE" - ALGUNS ASPECTOS POLÊMICOS
40 Autor: Neri Tadeu Camara Souza - Incluido em 17/12/2001 10:26:36; Atualizado em 13/07/2003 16:24:40 RESPONSABILIDADE CIVIL DO HOSPITAL
41 Autor: Malthus Fonseca Galvão - Incluido em 16/12/2001 20:53:07; Atualizado em 16/12/2001 20:53:07 MODELO DE FICHA DE INFORMAÇÃO SOBRE DESAPARECIDOS
42 Autor: Malthus Fonseca Galvão - Incluido em 16/12/2001 20:20:24; Atualizado em 16/12/2001 20:21:31 DÚVIDAS MAIS FREQÜENTES SOBRE NECROPSIA E SEPULTAMENTO
43 Autor: Malthus Fonseca Galvão - Incluido em 16/12/2001 19:47:27; Atualizado em 16/12/2001 19:47:27 IMPORTÂNCIA DO CIRURGIÃO DENTISTA NOS IML
44 Autor: Carlos Fernando Mathias de Souza  - Incluido em 13/12/2001 21:36:46; Atualizado em 15/12/2001 21:20:54 DIREITO E BIOÉTICA
45 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 10/12/2001 21:55:34; Atualizado em 02/05/2002 20:19:17 POLÍTICA DE PREVENÇÃO DE RISCO DE ERRO MÉDICO (*)
46 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 10/12/2001 21:37:39; Atualizado em 10/12/2001 21:37:39 DIREITO DE VIVER E DIREITO DE MORRER
47 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 09/12/2001 09:18:48; Atualizado em 09/12/2001 09:18:48 A AUTONOMIA DO PACIENTE NO CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA
48 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 09/12/2001 08:48:16; Atualizado em 09/12/2001 08:48:16 OS LIMITES DO ATO MÉDICO
49 Autor: Tânia Maria Borges - Incluido em 02/12/2001 15:37:00; Atualizado em 02/12/2001 15:37:56 FASES PSÍQUICAS DO PACIENTE TERMINAL
50 Autor: Cléber Bidegain Pereira, C.D. - Incluido em 28/11/2001 23:26:33; Atualizado em 15/12/2001 21:56:53 IMPLICAÇÕES LEGAIS DO USO DO COMPUTADOR NA ODONTOLOGIA
51 Autor: Cléber Bidegain Pereira, C.D. - Incluido em 28/11/2001 23:21:40; Atualizado em 28/11/2001 23:21:40 LEGABILIDADE DOS ARQUIVOS ELETRÔNICOS III
52 Autor: Corrêa,J.; Bidegain,C.P.; Gribel, M.N.; Zampiere,F. - Incluido em 28/11/2001 23:15:35; Atualizado em 21/09/2002 23:10:02 LEGABILIDADE DOS ARQUIVOS ELETRÔNICOS
53 Autor: Mario Perez Gimenez - Incluido em 27/11/2001 08:51:35; Atualizado em 28/11/2001 01:09:50 GERENCIAMENTO DE RISCO EM SAÚDE
54 Autor: Roberto Lauro Lana - Incluido em 19/11/2001 14:03:11; Atualizado em 23/11/2001 04:19:42 POR QUE UM SEGURO DE RESPONSABILDADE MÉDICA?
55 Autor: Waldir Grec - Incluido em 17/11/2001 20:10:27; Atualizado em 17/11/2001 20:14:19 APOSTANDO NUMA NOVA RELAÇÃO COM CONVÊNIOS E CREDENCIAMENTOS
56 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 13/11/2001 11:40:49; Atualizado em 17/11/2001 22:06:02 CLONAGEM HUMANA - ASPECTOS ÉTICOS
57 Autor: Juíza Sandra de Santis - Incluido em 12/11/2001 10:50:24; Atualizado em 12/11/2001 10:50:24 SENTENÇA POR QUEIMAR VIVO GALDINO
58 Autor: Genival Veloso de França Filho - Incluido em 11/11/2001 19:31:21; Atualizado em 11/11/2001 19:31:21 EXAME EM DNA - MEIO DE PROVA
59 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 10/11/2001 22:23:33; Atualizado em 11/11/2001 19:27:26 A PERÍCIA EM CASOS DE TORTURA
60 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 10/11/2001 12:13:39; Atualizado em 10/11/2001 12:15:41 PROCEDIMENTOS DEGRADANTES CONTRA PACIENTES
61 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 10/11/2001 12:09:41; Atualizado em 10/11/2001 12:09:41 SEGREDO MÉDICO
62 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 10/11/2001 12:05:22; Atualizado em 10/11/2001 12:05:22 O PACIENTE QUE VAI MORRER - DIREITO DE SABER A VERDADE
63 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 09/11/2001 23:16:26; Atualizado em 17/11/2001 21:58:33 A VIDA HUMANA UMA LÓGICA MÉDICO-LEGAL
64 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 09/11/2001 23:10:51; Atualizado em 23/11/2003 17:10:11 TRATAMENTO ARBITRÁRIO
65 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 09/11/2001 23:07:03; Atualizado em 10/11/2001 08:27:10 POLÍTICA DE PREVENÇÃO DO ERRO MÉDICO
66 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 09/11/2001 23:03:27; Atualizado em 10/11/2001 22:09:37 O PRINCÍPIO DA AUTONOMIA E O CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA
67 Autor: Luciano Maia - Incluido em 09/11/2001 20:08:41; Atualizado em 10/11/2001 21:18:16 TORTURA NO BRASIL: A BANALIDADE DO MAL
68 Autor: Sérgio Kalili - Incluido em 05/11/2001 02:23:55; Atualizado em 05/11/2001 02:29:36 DOM QUIXOTE
69 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 05/11/2001 02:08:39; Atualizado em 05/11/2001 02:08:39 CIRURGIA PLÁSTICA: OBRIGAÇÃO DE MEIO OU DE RESULTADO?
70 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 05/11/2001 01:34:06; Atualizado em 05/11/2001 01:36:42 INTERVENÇÕES FETAIS - UMA VISÃO BIOÉTICA
71 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 02/11/2001 12:32:23; Atualizado em 02/11/2001 12:33:08 EM FAVOR DO DIREITO MÉDICO
72 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 02/11/2001 12:21:58; Atualizado em 02/11/2001 12:22:48 O CONSENTIMENTO DO PACIENTE
73 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 02/11/2001 12:17:21; Atualizado em 02/11/2001 12:17:21 O CONSENTIMENTO E A PESQUISA
74 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 02/11/2001 12:12:19; Atualizado em 02/11/2001 12:13:19 DEVERES DE CONDUTA DAS ENTIDADES PRESTADORES DE SERVIÇOS MÉDICOS
75 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 02/11/2001 12:05:01; Atualizado em 02/11/2001 12:05:01 ABORTO - BREVES REFLEXÕES SOBRE O DIREITO DE VIVER
76 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 02/11/2001 10:47:02; Atualizado em 13/11/2001 11:37:21 CLONAGEM HUMANA PARA FINS TERAPÊUTICOS
77 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 02/11/2001 00:56:54; Atualizado em 02/11/2001 00:57:44 PROMOÇÃO PESSOAL: COMO O FAZÊ-LO DE FORMA ÉTICA?
78 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 02/11/2001 00:46:59; Atualizado em 02/11/2001 00:46:59 DOAÇÃO DE ÓRGÃOS DE ANENCÉFALOS
79 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 02/11/2001 00:41:34; Atualizado em 02/11/2001 00:41:34 SOBREVIVÊNCIA PRIVILEGIADA
80 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 02/11/2001 00:33:36; Atualizado em 02/11/2001 00:33:36 O ATO ANESTÉSICO E SUA NATUREZA JURÍDICA
81 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 02/11/2001 00:05:16; Atualizado em 02/11/2001 00:05:16 DEONTOLOGIA MÉDICA E BIOÉTICA
82 Autor: Paulo Roberto Silveira - Incluido em 01/11/2001 19:14:01; Atualizado em 01/11/2001 19:14:01 O TRATAMENTO CLÍNICO E CIRÚRGICO DAS EPILEPSIAS
83 Autor: Paulo Roberto Silveira - Incluido em 01/11/2001 18:57:19; Atualizado em 01/11/2001 18:59:19 POLÍTICAS E ESTRATÉGIAS DE SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE, DE SAÚDE PÚBLICA E DE SAÚDE MENTAL
84 Autor: Diaulas Costa Ribeiro - Incluido em 01/11/2001 11:31:29; Atualizado em 17/07/2004 00:26:12 O CRIME DE ESTUPRO E O TRANSEXUAL
85 Autor: Diaulas Costa Ribeiro - Incluido em 01/11/2001 11:08:16; Atualizado em 01/11/2001 11:24:30 EUTANÁSIA: VIVER BEM NÃO É VIVER MUITO
86 Autor: Gilberto Paiva de Carvalho - Incluido em 30/10/2001 03:50:07; Atualizado em 30/10/2001 04:09:05 COMO ESCOLHER UM PRONTUÁRIO DIGITAL
87 Autor: Paulo Roberto Silveira - Incluido em 25/10/2001 20:47:59; Atualizado em 25/10/2001 20:47:59 TRANSTORNOS MENTAIS E DO COMPORTAMENTO DE ORIGEM PROFISSIONAL
88 Autor: Paulo Roberto Silveira - Incluido em 25/10/2001 20:29:48; Atualizado em 17/07/2004 00:14:49 AS EPILEPSIAS
89 Autor: Paulo Roberto Silveira - Incluido em 25/10/2001 19:51:16; Atualizado em 01/11/2001 00:29:24 DOENÇAS PSIQUIÁTRICAS E NEUROLÓGICAS DO MERGULHADOR
90 Autor: Paulo Roberto Silveira - Incluido em 25/10/2001 19:42:04; Atualizado em 17/07/2004 00:24:43 TRAUMA RAQUIMEDULAR
91 Autor: Paulo Roberto Silveira - Incluido em 25/10/2001 15:57:31; Atualizado em 25/10/2001 16:04:46 EPILEPSIA NA CRIANÇA
92 Autor: Paulo Roberto Silveira - Incluido em 23/10/2001 11:55:15; Atualizado em 17/07/2004 00:11:10 NEUROPATIAS PERIFÉRICAS DE ORIGEM TÓXICA
93 Autor: Malthus Fonseca Galvão - Incluido em 12/10/2001 21:31:00; Atualizado em 25/01/2004 00:59:25 TEMPO DE GUARDA DO PRONTUÁRIO ODONTOLÓGICO - PARECER TÉCNICO AO MS
94 Autor: Malthus Fonseca Galvão - Incluido em 12/10/2001 21:11:30; Atualizado em 17/07/2004 00:11:55 COMPOSIÇÃO ESQUEMÁTICA DO PRONTUÁRIO ODONTOLÓGICO
95 Autor: Malthus Fonseca Galvão - Incluido em 12/10/2001 20:23:18; Atualizado em 12/10/2001 20:23:18 PRONTUÁRIO ODONTOLÓGICO
96 Autor: Malthus Fonseca Galvão - Incluido em 12/10/2001 19:57:50; Atualizado em 17/12/2001 19:25:21 SUGESTÃO DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS
97 Autor: Malthus Fonseca Galvão - Incluido em 12/10/2001 17:14:24; Atualizado em 12/10/2001 17:14:24 PROFILAXIA DA ENDOCARDITE BACTERIANA
98 Autor: Malthus Fonseca Galvão - Incluido em 12/10/2001 13:32:49; Atualizado em 12/10/2001 13:36:06 BIOSSEGURANÇA E SUAS REPERCUSSÕES LEGAIS
99 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 12/10/2001 02:51:36; Atualizado em 12/10/2001 02:51:36 DEVERES DE CONDUTA DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE
100 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 12/10/2001 02:43:27; Atualizado em 12/10/2001 02:43:27 DEBERES DE CONDUCTA DE LAS ENTIDADES PRESTADORAS DE SERVICIOS DE SALUD
101 Autor: Fábio Miajyma - Incluido em 12/10/2001 02:36:10; Atualizado em 12/10/2001 02:36:10 ASPECTOS FUNDAMENTAIS DA VALIDADE JURÍDICA DAS PROVAS EM DNA
102 Autor: Rogério Nogueira de Oliveira - Incluido em 11/10/2001 21:22:08; Atualizado em 12/10/2001 23:37:39 CONTRIBUIÇÃO DA ODONTOLOGIA LEGAL À IDENTIFICAÇÃO POST-MORTEM
103 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 11/10/2001 03:43:51; Atualizado em 11/10/2001 03:43:51 UM CONCEITO ÉTICO DE MORTE
104 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 11/10/2001 03:28:40; Atualizado em 11/10/2001 03:32:32 DECÁLOGO ÉTICO DO PERITO
105 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 11/10/2001 03:22:02; Atualizado em 11/10/2001 03:22:02 AVALIAÇÃO DO DANO CORPORAL DE NATUREZA TRABALHISTA
106 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 10/10/2001 13:54:48; Atualizado em 10/10/2001 14:00:01 DESASTRES DE MASSA - SUGESTÕES PARA UM ITINERÁRIO CORRETO DE AUXÍLIOS
107 Autor: Rafael Nichele - Incluido em 09/10/2001 03:01:24; Atualizado em 09/10/2001 03:01:24 O CÓDIGO DO CONSUMIDOR E A COMPETÊNCIA TERRITORIAL DAS AÇÕES - UM NOVO ENFOQUE
108 Autor: Rafael Nichele - Incluido em 09/10/2001 02:40:09; Atualizado em 09/10/2001 02:40:09 A INVERSÃO DO ÔNUS DA PROVA NO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR - RESTRIÇÕES QUANTO A SUA APLICAÇÃO
109 Autor: Rafael Nichele - Incluido em 09/10/2001 02:28:38; Atualizado em 09/10/2001 02:31:19 AVALIAÇÃO COMPUTADORIZADA EM RINOPLASTIA: AUXÍLIO TÉCNICO OU COMPROMISSO COM O RESULTADO ?
110 Autor: Rogério Nogueira de Oliveira - Incluido em 09/10/2001 02:22:31; Atualizado em 09/10/2001 02:22:31 ESTIMATIVA DO SEXO ATRAVÉS DE MENSURAÇÕES MANDIBULARES
111 Autor: Jose Carlos F. G. Caldas - Incluido em 09/10/2001 01:55:24; Atualizado em 13/10/2001 09:22:52 ELUCIDAÇÃO DE UM CRIME ATRAVÉS DA MARCA DE MORDIDA: RELATO DE UM CASO
112 Autor: Adauto Emmerich - Incluido em 09/10/2001 01:22:09; Atualizado em 17/07/2004 00:02:39 RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL DO CIRURGIÃO-DENTISTA, MEDIANTE O ARQUIVAMENTO DA DOCUMENTAÇÃO ODONTOLÓGICA
113 Autor: André Barbosa - Incluido em 09/10/2001 00:25:30; Atualizado em 24/05/2003 21:57:01 IMPORTÂNCIA DOS REGISTROS ODONTOLÓGICOS NA IDENTIFICAÇÃO ODONTO-LEGAL - RELATO DE CASO
114 Autor: Mônica Serra - Incluido em 08/10/2001 23:27:51; Atualizado em 08/10/2001 23:27:51 DOCUMENTAÇÃO ODONTOLÓGICA: GUARDA "AD ETERNUM"
115 Autor: Wolnei Luiz Centenaro - Incluido em 08/10/2001 23:15:20; Atualizado em 08/10/2001 23:15:20 ODONTOLOGIA: PROFISSÃO DE ILEGAIS
116 Autor: Laís Záu Serpa de Araújo - Incluido em 08/10/2001 23:00:43; Atualizado em 12/10/2001 23:36:19 VERIFICAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE SERES HUMANOS E ANIMAIS, EM PESQUISAS CIENTÍFICAS, FRENTE AOS FUNDAMENTOS E PRECEITOS DA BIOÉTICA.
117 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 08/10/2001 22:44:37; Atualizado em 08/10/2001 22:44:37 TORTURA - ASPECTOS MÉDICO-LEGAIS
118 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 08/10/2001 22:29:47; Atualizado em 08/10/2001 22:29:47 SOCIALIZAÇÃO DO RISCO MÉDICO
119 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 08/10/2001 22:15:56; Atualizado em 08/10/2001 22:15:56 SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL DO MÉDICO - VANTAGENS E DESVANTAGENS
120 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 08/10/2001 22:11:49; Atualizado em 08/10/2001 22:11:49 NOÇÕES DE SEGURO
121 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 08/10/2001 22:06:01; Atualizado em 08/10/2001 22:06:01 O SEGREDO MÉDICO E A NOVA ORDEM BIOÉTICA
122 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 08/10/2001 21:58:06; Atualizado em 08/10/2001 21:58:06 SACRALIDADE E QUALIDADE DE VIDA
123 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 08/10/2001 21:52:24; Atualizado em 08/10/2001 21:52:24 O RISCO EM MEDICINA
124 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 08/10/2001 21:42:54; Atualizado em 08/10/2001 21:48:40 RESPONSABILIDADE CIVIL DO MÉDICO
125 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 08/10/2001 21:18:03; Atualizado em 08/10/2001 21:18:03 ASPECTOS NEGATIVOS DAS TÉCNICAS DE REPRODUÇÃO ASSISTIDA
126 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 08/10/2001 21:10:27; Atualizado em 08/10/2001 21:10:27 RECUSA DO RÉU EM INVESTIGAÇÃO DE PATERNIDADE
127 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 08/10/2001 21:07:04; Atualizado em 08/10/2001 21:07:04 PRONTUÁRIO MÉDICO
128 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 08/10/2001 21:04:26; Atualizado em 08/10/2001 21:04:26 COMO PROCEDER DIANTE DA ALEGAÇÃO DE ERRO MÉDICO
129 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 08/10/2001 20:59:53; Atualizado em 08/10/2001 20:59:53 A PERÍCIA DO ERRO MÉDICO
130 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 08/10/2001 20:45:49; Atualizado em 08/10/2001 20:46:53 PACIENTE TERMINAL
131 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 08/10/2001 20:39:01; Atualizado em 08/10/2001 20:39:01 O PACIENTE QUE VAI MORRER: DIREITO À VERDADE
132 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 08/10/2001 20:30:14; Atualizado em 08/10/2001 20:30:14 PROCEDIMENTOS INVASIVOS FETAIS - ASPECTOS MÉDICO-JURÍDICOS
133 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 08/10/2001 20:26:37; Atualizado em 08/10/2001 20:26:37 EM FAVOR DO EXERCÍCIO ÉTICO DA MEDICINA
134 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 08/10/2001 20:21:08; Atualizado em 08/10/2001 20:21:08 EUTANÁSIA: UM ENFOQUE ÉTICO-POLÍTICO
135 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 08/10/2001 20:03:18; Atualizado em 08/10/2001 20:04:42 EUTANÁSIA: DIREITO DE MATAR OU DIREITO DE MORRER
136 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 08/10/2001 19:55:14; Atualizado em 08/10/2001 19:55:14 EPILEPSIAS - ASPECTOS MÉDICO-LEGAIS
137 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 08/10/2001 19:51:25; Atualizado em 08/10/2001 19:51:25 ENGENHARIA GENÉTICA - ASPECTOS MÉDICO-LEGAIS
138 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 08/10/2001 19:43:45; Atualizado em 08/10/2001 19:43:45 ITINERÁRIO ÉTICO PARA UM EMERGENCISTA
139 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 08/10/2001 19:37:23; Atualizado em 09/10/2001 03:13:52 DOAÇÃO DE ÓRGÃOS DE ANENCÉFALOS
140 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 08/10/2001 19:32:04; Atualizado em 08/10/2001 19:32:04 O VÍNCULO GENÉTICO DA FILIAÇÃO PELO DNA: SUA APLICAÇÃO NOS TRIBUNAIS
141 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 08/10/2001 19:23:21; Atualizado em 08/10/2001 19:23:21 EXAME DE DNA - MEIO DE PROVA
142 Autor: Neri Tadeu Camara Souza - Incluido em 30/09/2001 16:57:06; Atualizado em 24/07/2003 16:09:27 O CONSENTIMENTO INFORMADO NA ATIVIDADE MÉDICA E A AUTONOMIA DO PACIENTE
143 Autor: Neri Tadeu Camara Souza - Incluido em 30/09/2001 01:41:23; Atualizado em 24/07/2003 16:11:20 RESPONSABILIDADE CIVIL NO ERRO MÉDICO
144 Autor: Neri Tadeu Camara Souza - Incluido em 30/09/2001 01:12:14; Atualizado em 24/07/2003 16:11:52 RESPONSABILIDADE PENAL DO MÉDICO
145 Autor: Neri Tadeu Camara Souza - Incluido em 30/09/2001 00:59:28; Atualizado em 24/07/2003 16:12:30 O DANO ESTÉTICO NA ATIVIDADE DO MÉDICO
146 Autor: Neri Tadeu Camara Souza - Incluido em 30/09/2001 00:45:01; Atualizado em 24/07/2003 16:13:02 ANTICONCEPÇÃO CIRÚRGICA VOLUNTÁRIA - SUA EVOLUÇÃO LEGAL
147 Autor: Neri Tadeu Camara Souza - Incluido em 30/09/2001 00:33:07; Atualizado em 24/07/2003 16:13:36 PRINCÍPIOS GERAIS DA DEFESA DO CONSUMIDOR
148 Autor: Deíla Barbosa Maia - Incluido em 25/09/2001 00:02:13; Atualizado em 01/11/2001 01:10:23 ERRO MÉDICO EM QUESTÃO
149 Autor: José Geraldo de Freitas Drumond - Incluido em 24/09/2001 23:53:43; Atualizado em 24/09/2001 23:58:09 BIOÉTICA E DIREITO MÉDICO
150 Autor: José Geraldo de Freitas Drumond - Incluido em 24/09/2001 23:36:18; Atualizado em 24/09/2001 23:44:00 A ORGANIZAÇÃO DA MEDICINA LEGAL NO BRASIL
151 Autor: José Geraldo de Freitas Drumond - Incluido em 24/09/2001 23:23:14; Atualizado em 24/09/2001 23:23:14 A DETERMINAÇÃO DA PATERNIDADE E A SACRALIZAÇÃO DOS EXAMES DE DNA
152 Autor: José Geraldo de Freitas Drumond - Incluido em 24/09/2001 23:18:33; Atualizado em 24/09/2001 23:18:33 O DIREITO DE SABER A VERDADE
153 Autor: Roberto Lauro Lana - Incluido em 24/09/2001 23:06:32; Atualizado em 24/09/2001 23:11:40 PORQUE UM SEGURO DE RESPONSABILIDADE MÉDICA?
154 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 21/09/2001 16:17:45; Atualizado em 11/10/2001 03:13:11 RISCOS OCUPACIONAIS DA EQUIPE DE SAÚDE - ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS
155 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 21/09/2001 15:57:42; Atualizado em 21/09/2001 15:57:42 A ALIENAÇÃO DA DOR
156 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 21/09/2001 15:47:46; Atualizado em 21/09/2001 15:47:46 EUTANÁSIA: DIREITO DE MATAR OU DIREITO DE MORRER
157 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 21/09/2001 14:56:00; Atualizado em 21/09/2001 15:00:56 TELEMEDICINA
158 Autor: CREMESP - Incluido em 21/09/2001 14:39:36; Atualizado em 21/09/2001 14:39:36 MANUAL DE ÉTICA PARA SITES DE MEDICINA E SAÚDE NA INTERNET
159 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 20/09/2001 23:53:12; Atualizado em 21/09/2001 00:07:37 AVALIAÇÃO E VALORAÇÃO MÉDICO-LEGAL DO DANO PSÍQUICO
160 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 20/09/2001 23:41:40; Atualizado em 13/10/2001 09:40:54 ANESTESIA: OBRIGAÇÃO DE MEIOS OU DE RESULTADOS?
161 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 20/09/2001 22:48:46; Atualizado em 15/07/2004 00:09:18 AIDS - UM ENFOQUE ÉTICO-POLÍTICO
162 Autor: Genival Veloso de França - Incluido em 20/09/2001 22:30:58; Atualizado em 11/10/2001 03:34:31 ABORTO EUGÊNICO - CONSIDERAÇÕES ÉTICO-LEGAIS
anteriorposterior

  PSICOSE ORGÂNICA preparar esta página para impressão
Epilepsia Focal Parcial Complexa

Paulo Roberto Silveira
Médico da Superintendência de Saúde Coletiva das Doenças Crônicas Degenerativas
Coordenador do Programa de Epilepsia da Secretaria Estadual de Saúde do Rio de Janeiro

____________________________________________
Médico da Assessoria de Doenças Crônicas e Degenerativas – Secretaria de Estado de Saúde - RJ
Coordenador do Programa de Epilepsia da Secretaria Estadual de Saúde do Rio de Janeiro.
Perito Legista Neurologista Forense do Instituto Médico Legal Afrânio Peixoto . Secretaria de Estado de Segurança Pública do Rio de Janeiro.
____________________________________________


Unitermos: psicose orgânica, doença mental.
IDENTIFICAÇÃO
Paciente do sexo feminino, brasileira, natural do Rio de Janeiro, nascida em 02/07/1960, negra, solteira.
MOTIVO DA INTERNAÇÃO
Paciente deu entrada no PSP, acompanhada de familiares e policial, apresentando distúrbio de comportamento e heteroagressividade, no dia 29/04/1994, às 20h45, com hipóteses diagnósticas de epilepsia, distúrbio de conduta e de emoções.
HISTÓRIA DA DOENÇA ATUAL
Aos nove anos de idade, a paciente iniciou tratamento psiquiátrico no Hospital Infantil do Fundão. Aos dez anos foi internada no mesmo hospital, com história de agressividade e fugas continuadas. Aos 13 anos, com história de perda de consciência, fez tratamento em nível laboratorial no PAM-Nilópolis, PAM-Piedade e no Hospital Deolindo Couto. Aos 17 anos foi internada, em 07/04/1977, na Clínica das Amendoeiras (Jacarepaguá), com diagnóstico de quadro psicótico orgânico transitório, tendo alta em 02/06/1977. Aos 18 anos foi novamente internada na Clínica das Amendoeiras (03/02/1978), com diagnóstico de Transtorno Neurótico-Histeria, tendo alta em 02/03/1978.

Em 16/09/1992 apresentou quadro de crise convulsiva de repetição, tendo sido internada no Hospital Geral de Bonsucesso, em cujo CTI permaneceu até o dia 22/09/1992, tendo alta para a enfermaria, onde ficou até o dia 30. Recebeu alta para tratamento ambulatorial, com diagnóstico de Epilepsia de Difícil Controle.

HISTÓRIA PESSOAL
Desde o nascimento até um ano de idade, residiu com a avó materna em Manhuaçu, MG. Ao voltar para o Rio de Janeiro, viveu alternadamente entre a casa da mãe e a de uma família vizinha. Aos cinco anos foi para o colégio interno, onde permaneceu por dois anos. Aos dez, após ter alta do Hospital Infantil do Fundão, foi morar novamente na casa da avó, em Minas gerais, retornando definitivamente à casa da mãe aos 13 anos.

Diz ter nascido de parto normal e que quase morreu ao nascer, “por problemas de parto”. Roía as unhas quando criança. Urinou na cama até os oito anos de idade e não se lembra de ter tido doença grave na infância.

Desde os nove anos de idade fugia de casa, perdia a memória e “saía sem rumo pela rua”.
Vida escolar – Estudou até a 8ª série e tinha dificuldades no aprendizado, situação que permanece até os dias de hoje.

Não tinha bom relacionamento com os professores ou com os colegas de turma, sempre fugindo da sala de aula.

Trabalho – Iniciou atividade laborativa aos 21 anos, como balconista. Ficou no emprego por dois anos, saindo por não possuir a boa memória requerida pela função, e também porque o namorado, com crises de ciúmes, trazia problemas para o ambiente de trabalho. Passou a receber benefício do INSS, enquanto realizava serviços eventuais de faxina e de acompanhante.

Puberdade – Não se lembra com exatidão a idade da menarca (em torno dos 12 anos), e os períodos menstruais duram sete dias, acompanhados de cólicas e dores de cabeça.

História sexual – Foi estuprada aos nove anos por um homem que, segundo diz, era marido de uma mulher que a acolheu por ocasião de uma de suas fugas. Teve relações sexuais regularmente, dos 13 aos 14 anos, com um tio, zelador de uma igreja evangélica, até que a esposa deste descobriu o fato.

Casamento – Aos 23 anos conheceu aquele que seria o pai de sua filha, nascida de parto cesáreo. Separou-se porque o marido “não fazia nada pela filha”.

Hábitos – Nega ser dependente do álcool ou do tabaco. Freqüenta a Assembléia de Deus.

HISTÓRIA MÉDICA
A paciente nega outras doenças e a única cirurgia à qual se submeteu foi a cesareana. Informa ter leucorréia freqüente, mas faz tratamento ambulatorial com ginecologista. Diz ainda que, segundo sua mãe, na ocasião em que esteve internada no Hospital Infantil do Fundão, foi levantada a hipótese das perdas de memória serem devidas a problemas neurológicos.
Sintomas neurovegetativos - Diz ter sido sempre agitada, chorava à toa, brigava com facilidade e rasgava os livros dos colegas de escola. Às vezes não conseguia dormir.

HISTÓRIA FAMILIAR
Terceira filha de uma prole de quatro, pais separados. O pai mora em Manhuaçu, MG, é espírita e possui um centro, de onde tira o seu sustendo. A mãe é devota da Igreja Batista e casou-se pela segunda vez. Do primeiro casamento vieram três filhos. O primeiro morreu afogado aos dez anos. O segundo faleceu com um ano de idade, de tuberculose pulmonar, contraída da própria mãe. O terceiro é a paciente, que está hoje com 34 anos de idade. Do segundo casamento nasceu um irmão, que conta hoje com 27 anos. A paciente nega doenças psiquiátricas na família.

EXAME PSÍQUICO
Primeiro contato com a paciente deu-se no dia 12/04/1994, já na enfermaria de crise do HPPII.

Atitude geral – Higiene preservada, vestida com roupas da enfermaria, bom aspecto físico, alimentando-se espontaneamente, calma e cooperativa.
Expressão em palavras – Paciente fala espontânea, coerente e pausadamente: “gostaria de passar o aniversário da minha filha com ela e fora daqui”, diz. Mantém ritmo nas palavras.

Humor – Paciente ansiosa: “gostaria de sair logo daqui”.

Atividade delirante – Paciente diz ter o dom da revelação, ou seja, a capacidade de ouvir a voz de Deus informando-lhe sobre a vida das pessoas. Em outras épocas teria sido o contrário: “ouvia a voz do Demônio”, que a importunava e a fazia sentir dores horríveis, como se estivesse sendo chicoteada. Foi exorcizada por um grupo de pastores, mas ainda se sente perseguida pelo Demônio. Relata que, no entanto, à força de orações, o mal tem se afastado. Diz ainda ter premonições sobre o futuro das pessoas: teria previsto o assalto sofrido pela vizinha.

Alteração de sensopercepção – No dia 17/05/1994, a paciente informava ver duas imagens, quando olhava para a frente (diplopia medicamentosa).

Fenômenos compulsivos - Quando foi internada, em 28/04/1994, estava agitada, quebrou objetos domésticos, armou-se de uma faca e chegou a ameaçar as pessoas. Do boletim de internação consta a seguinte declaração da paciente: “Estou sentindo ódio de todo mundo, se pudesse eu agrediria a todos, inclusive à minha mãe”.

Orientação – Orientada no tempo e no espaço.

Memória – Quando fora das crises convulsivas, a memória permanece inalterada, mas diz que ao ter os ataques “não consigo me lembrar de nada que acontece comigo”.

Atenção – Paciente sem alteração da atenção e da consciência fora das crises convulsivas.

Conhecimentos gerais – Feitos testes de conhecimentos, próprios para o nível de escolaridade da paciente, verificou-se que os mesmos estão preservados.

Noção do estado mórbido – Acha que precisa se tratar, pois acredita que as perdas de memória e as brigas, devidas às crises, estejam atrapalhando seu convívio com a filha.

SÚMULA PSICOPATOLÓGICA
Aparência – Higienizada, trajando vestes de enfermaria.

Atitude – Descontraída.

Pensamento – Curso, forma e conteúdo sem alterações.

Consciência - Lúcida.

Afetividade – Sem alterações

Psicomotricidade – Sem alterações.

Sensopercepção – Apresenta visão dupla (diplopia medicamentosa).

Consciência do eu – Sem alteração aparente.

Vontade – Normal

Pragmatismo –  Demonstra objetividade

Fala – Ritmo normal, sem alteração no timbre.

Memória – Sem alteração

Juízo crítico da enfermidade – Apresenta razoável conhecimento da doença.

Plano para o futuro – Consistente

EXAME FÍSICO
Paciente calma, orientada no tempo e no espaço. Nos primeiros 30 minutos da entrevista estava algo sonolenta, melhorando no decorrer da entrevista (efeito medicamentoso). Mucosas discretamente hipocoradas, com hidratação normal, respirando com facilidade; bom estado de nutrição, distribuição normal dos faneros.

Pressão arterial – 120 X 80 mmHg
Temperatura axilar – 26,5º
Freqüência cardíaca - C – 92 bpm
Aparelho cardiovascular: bulhas rítmicas normofonéticas.
Aparelho pulmonar – murmúrio vesicular universalmente presente.
Abdome – sem alterações
Membros superiores – sem alterações
Membros inferiores – sem alterações

EXAME NEUROLÓGICO
Paciente Vigil; orientada no tempo e espaço; marcha atípica; equilíbrio estático: observa-se discreta lateralização para a direita ; ausência de atrofias musculares, ausência de fasciculações musculares; tonicidade muscular presentes e simétricas; força muscular presentes e simétricas; reflexos osteotendinosos presentes e simétricos; ausência de clônus de extremidades; reflexos cutâneos plantares em flexão bilateralmente; ausência de sinal de Hoffmann bilateralmente; reflexos axiais da face normais; pares craneanos acessíveis normais; coordenação motora preservadas; sensibilidade táctil, dolorosa profunda e superficial sem alterações. O exame neurológico atual não evidencia alterações neurológicas de cunho objetivo.

Exames laboratoriais: nada digno de nota.

EVOLUÇÃO
Paciente apresentou quadro de alteração do comportamento, chegando à agressividade. Episódios de lucidez alternando com crises convulsivas generalizadas, sendo encaminhada ao pronto-socorro.
28/04 – Paciente deu entrada no pronto-socorro acompanhada dos familiares, ansiosa porém lúcida, parcialmente orientada e cooperativa.
29/04 – Paciente bem, sem alterações.
30/04 – Às 11h20, a paciente entrou em crise convulsiva e foi medicada com Fenobarbital 100 IM e Diazepam 10 mg IM.

Às 20h40, apresentou novo episódio de crise convulsiva, caindo do leito. Foi transferida para o pronto-sococorro.

01/05 – 15h40, paciente apresenta agitação e agressividade.
Medicação:
Clorpromazina 1 amp.IM
Prometazina 1 amp.IM
Fenobarbital 1 amp.IM
02/05 – 7h15 – encaminhada à enfermaria de crise, contida no leito e sedada. Dormiu durante todo o período.
22h00 – calma e lúcida, foi transferida para o pronto-socorro.
03/05 – 21h50 – paciente apresentou vários episódios de crise convulsiva.
Medicação:
Diazepam 1 amp.IM
soro glicosado a 5% 500 ml
Diazepam 1 amp. no soro
Furosemida 1 amp. no soro

Apresentou ainda duas crises convulsivas após a medicação.
04/05 – 7h00 – encaminhada à enfermaria de crise.
10h00 – novo episódio de crise. Retorna ao pronto-socorro.
Medicação:
Fenitoína 2,5 ml no microgotas
Diazepam 10 mg 1 amp. IM
22h35 – nova crise. Repetiu-se a medicação acima.
05/05 – 13h00 – apresentou crises convulsivas atípicas, com ausências.
06/05 – 19h10 – nova crise.
Medicação:
Fenitoína 2,5 ml no microgotas
Ringer Lactato 1000 ml
07/05 – 18h25 – episódio de agressividade – tentou quebrar a janela e sair.
Medicação:
Fenobarbital 1 amp. IM
08/05 – sem crises e lúcida.
09/05 – 10h00 – agitada e falando em excesso.
10/05 – 9h00 – vários episódios de crise convulsiva subentrante.
11/05 – 15h00 – apresentou crise convulsiva não característica de grande mal.
12/05 – retornou à enfermaria de crise, quando reassumimos o caso. Calma, lúcida e cooperativa.
Medicação:
Fenobarbital 100 ml 1+1+1
Fenitoína 1+1+1
Carbamazepina 200 mg 1+1+1
20h00 – bastante agitada, fez referência a auras epilépticas.
13/05 – paciente referiu-se a saudades da filha, manifestando muita tristeza.
14/05 – 18h45 – crise convulsiva generalizada.
Medicação:
Fenobarbital 100 mg IM
Diazepam 10 mg IM
15/05 – 02h00 – crise convulsiva com queda da própria altura.
Medicação:
Diazepam 10 mg IM
16/05 – agitada. Queixa-se de cefaléia.
Medicação:
Haloperidol 5 mg 1 amp. IM
Prometazina 1 amp. IM
Fenobarbital 1 amp. IM
17/05 – à noite apresentou agitação.
Medicação:
Fenobarbital 100 mg 1+1+1
Fenitoína 100 mg 1+1+1
Carbamazepina 200 mg 1+1+1
Durante agitação,
medicação:
Fenobarbital 200 mg IM
Diazepam 10 mg IM
18/05 – agitada, queixando-se de tonteiras e visão dupla.
19/05 – sedada e sonolenta, piora da diplopia. Apresentou episódio de crise convulsiva.
Medicação:
Diazepam 10 mg IM
21/05 – crise convulsiva acompanhada de apnéia. Transferida para o pronto-socorro.
Medicação:
Dexametazona 4 mg IM 6/6 horas
Cimetidina 200 mg Im 6/6 horas
Manitol 20% no soro
Oxigenioterapia em caso de necessidade.
23/05 – encaminhada ao Hospital Municipal Miguel Couto, de onde retornou por não ser caso cirúrgico.
24/05 – novo episódio de crise convulsiva.
25/05 – nova crise.
26/05 – 16h45 – foi submetida a RX de crânio (normal). Nova crise. Discutiu-se em sessão clínica a substituição dos anticonvulsivantes em uso pelo ácido valpróico.
27/05 – sem crises, porém agitada.
Medicação:
Acido Volpróico 250 mg 1+1+1
Fenitoína 100 mg 1+1+1
Carbamazepina 200 mg 1+1+1
Fenobarbital 100 mg 1+1+1
Flufenazina 5 mg 1+1+1
28/05 – sofreu queda da própria altura, machucando os lábios. Sem crise.
Medicação:
Repetiu-se a medicação do dia 27/05.
29/05 – sem crise.
Medicação:
a mesma.
30/05 – sem crise. Submetida a exame oftalmológico.
Medicação:
a mesma.
31/05 – sem crise. Feito tomografia computadorizada de crânio, corte axial (normal).
Medicação:
Acido Valpróico) 250 mg 2+1+1
Carbamazepina 200 mg 0+0+1
Fenobarbital 100 mg 1+1+1
Flufenazina 5 mg 0+0+1
02/06 – sem crise. Tomografia computadorizada de sela túrcica: normal.
Medicação:
Acido Valpróico 250 mg 2+2+1
Fenobarbital 100 mg 1+1+1
Flufenazina 5 mg 0+0+1
03/06 – sem crise. Sofreu queda da própria altura.
Medicação:
Ácido Valpróico 250 mg 2+2+2
Fenobarbital 100 mg 0+1+1
Flufenazina 5 mg 0+0+1
04/06 – sem crise.
Medicação:
Ácido Valpróico 250 mg 2+2+2
Fenobarbital 100 mg 0+0+1
Flufenazina 5 mg 0+0+1
05/06 – sem crise.
Medicação:
Ácido Valpróico 250 mg 2+2+2
Fenobarbital 100 mg 0+0+1
Flufenazina 5 mg 0+0+1
06/06 – sem crise.
Medicação:
a mesma.
07/06 – Sem crise.
Medicação:
Ácido Valpróico 250 mg 2+1+2
Flufenazina 5 mg 0+0+1
08, 09, 10, 11, 12 e 13/06 – sem crise.
Medicação:
Ácido Valpróico 250 mg 2+1+2
Flufenazina 5 mg 0+0+1
14/06 – sem crise.
Medicação:
Ácido Valpróico 250 mg 2+1+1
Flufenazina 5 mg 0+0+1
15/06 – apresentou crise convulsiva às 21h50.
Na crise,
medicação:
Fenobarbital 100 mg IM
Ácido Valpróico 250 mg 2+1+1
Flufenazina 5 mg 0+0+1
16/06 – sem crise.
Medicação:
Ácido Valpróico 250 mg 1+1+2
Flufenazina 5 mg 0+0+1
Diazepam 10 mg 0+0+1
17/06 – alta hospitalar para tratamento ambulatorial.
Medicação:
Ácido Valpróico 250 mg 1+1+2
Flufenazina 5 mg 0+0+1
Diazepam 10 mg 0+0+1

DIAGNÓSTICO SINDRÔMICO
Transtorno delirante orgânico.

DIAGNÓSTICO NOSOLÓGICO
Epilepsia e síndromes epilépticas sintomáticas, relacionadas à localização (focais) (parciais), com crises parciais complexas.
Crises de grande mal.

DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL
Transtorno orgânico da personalidade.
________________________________________
• Endereço para correspondência:
  Dr. Paulo Roberto Silveira
  Rua México 128, sala 406 - Centro
  20031-142 – Rio de Janeiro – RJ
• E-mails: epilepsia@saude.rj.gov.br
                 psilveira@saude.rj.gov.br




Webmaster
Malthus

Site de Apoio ao Processo Ensino Aprendizagem do
LOAFMEL
Laboratório de Odontologia e Antropologia Forenses e Medicina Legal
Faculdade de Medicina
Universidade de Brasília.

Coordenador: Professor Malthus Galvão
Este site é monitorado, está em constante complementação e pode conter erros.

Você pode utilizar o material à vontade, para montar uma aula, um caso para discussões com seus alunos, etc, seguindo os termos da licença. Aqui eu explico melhor

LOAFMEL - UnB by Malthus Fonseca Galvão is licensed under CC BY-NC-SA 4.0

Toda programação, métodos e bancos de dados utilizados em malthus.com.br© foram desenvolvidos pelo

Prof. Malthus Galvão.

Direitos autorais protegidos pela Lei 9610/98.