Matrícula ou Email: Senha: Esqueci a senha 




Índice
Lógica  

 
 
   

Lógica Matemática

Adaptado de Paulo Marques - Feira de Santana - BA
(Site do Autor com outros temas matemáticos)

1 - INTRODUÇÃO

A Lógica Matemática, em síntese, pode ser considerada como a ciência do raciocínio e da demonstração. Este importante ramo da Matemática desenvolveu-se no século XIX, sobretudo através das idéias de George Boole , matemático inglês (1815 - 1864), criador da Álgebra Booleana, que utiliza símbolos e operações algébricas para representar proposições e suas inter-relações.

As idéias de Boole tornaram-se a base da Lógica Simbólica, cuja aplicação estende-se por alguns ramos da eletricidade, da computação e da eletrônica.
A lógica matemática (ou lógica simbólica), trata do estudo das sentenças declarativas também conhecidas como proposições , as quais devem satisfazer aos dois princípios fundamentais seguintes:

Princípio do terceiro excluído: uma proposição só pode ser verdadeira ou falsa , não havendo outra alternativa.

Princípio da não contradição: uma proposição não pode ser ao mesmo tempo verdadeira e falsa.

Diz-se então que uma proposição verdadeira possui valor lógico V (verdade) e uma proposição falsa possui valor lógico F (falso). Os valores lógicos também costumam ser representados por 0 (zero) para proposições falsas ( 0 ou F) e 1 (um) para proposições verdadeiras ( 1 ou V ).

As proposições são indicadas pelas letras latinas minúsculas: p, q, r, s, t, u, ...

De acordo com as considerações acima, expressões do tipo, "O dia está bonito" , "3 + 5" , "x é um número real" , "x + 2 = 7", etc., não são proposições lógicas, uma vez que não poderemos associar a ela um valor lógico definido (verdadeiro ou falso).

Exemplificamos a seguir algumas proposições, onde escreveremos ao lado de cada uma delas, o seu valor lógico V ou F. Poderia ser também 1 ou 0.

p: " a soma dos ângulos internos de um triângulo é igual a 180º " ( V )
q: " 3 + 5 = 2 " ( F )
r: " 7 + 5 = 12" ( V)
s: " a soma dos ângulos internos de um polígono de n lados é dada por Si = (n - 2) . 180º " ( V )
t: " O Sol é um planeta" ( F )
w: " Um pentágono é um polígono de dez lados " ( F )
 

2 - Símbolos utilizados na Lógica Matemática

~

não

Ù

e

Ú

ou

®

se ... então

«

se e somente se

|

tal que

Þ

implica

Û

equivalente

$

existe

$ |

existe um e somente um

"

qualquer que seja

3 - O Modificador Negação

Dada a proposição p , indicaremos a sua negação por ~p . (Lê-se " não p " ).
Ex.: p: Três pontos determinam um único plano ( V )
~p: Três pontos não determinam um único plano ( F )
Obs.: duas negações eqüivalem a uma afirmação ou seja, em termos simbólicos: ~(~p) = p .

4 - Operações lógicas

As proposições lógicas podem ser combinadas através dos operadores lógicos Ù , Ú , ® e « , dando origem ao que conhecemos como proposições compostas . Assim , sendo p e q duas proposições simples, poderemos então formar as seguintes proposições compostas: pÙ q , pÚ q , p® q , p« q (Os significados dos símbolos estão indicados na tabela anterior).
Estas proposições compostas recebem designações particulares, conforme veremos a seguir.
Conjunção: p
Ù q (lê-se "p e q " ).
Disjunção: p
Ú q (lê-se "p ou q ") .
Condicional: p
® q (lê-se "se p então q " ).
Bi-condicional: p
« q ( "p se e somente se q") .

Conhecendo-se os valores lógicos de duas proposições simples p e q , como determinaremos os valores lógicos das proposições compostas acima? Ah! caro vestibulando! Isto é conseguido através do uso da tabela a seguir, também conhecida pelo sugestivo nome de TABELA VERDADE.

Sejam p e q duas proposições simples, cujos valores lógicos representaremos por 0 quando falsa (F) e 1 quando verdadeira (V). Podemos construir a seguinte tabela simplificada:

p

q

p Ù q

p Ú q

p® q

p « q

1

1

1

1

1

1

1

0

0

1

0

0

0

1

0

1

1

0

0

0

0

0

1

1

Da tabela acima, infere-se (deduz-se) que:

  • a conjunção é verdadeira somente quando ambas as proposições são verdadeiras.
  • a disjunção é falsa somente quando ambas as proposições são falsas.
  • a condicional é falsa somente quando a primeira proposição é verdadeira e a segunda falsa.
  • a bi-condicional é verdadeira somente quando as proposições possuem valores lógicos iguais.

Ex.: Dadas as proposições simples:
p: O Sol não é uma estrela (valor lógico F ou 0)
q: 3 + 5 = 8 (valor lógico V ou 1)
Temos:
p
Ù q tem valor lógico F (ou 0)
p
Ú q tem valor lógico V (ou 1)
p
® q tem valor lógico V (ou 1)
p
« q tem valor lógico F (ou 0).

Assim, a proposição composta "Se o Sol não é uma estrela então 3 + 5 = 8" é logicamente verdadeira, não obstante ao aspecto quase absurdo do contexto da frase!

Não quero lhe assustar, mas o fato das proposições verdadeiras (valor lógico 1) ou falsas (valor lógico 0), não podem estar associadas à analogia de que zero (0) pode significar um circuito elétrico desligado e um (1) pode significar um circuito elétrico ligado? Isto lembra alguma coisa vinculada aos computadores? Pois é, caros amigos, isto é uma verdade, e é a base lógica da arquitetura dos computadores!
Seria demais imaginar que a proposição p
Ù q pode ser associada a um circuito série e a proposição pÚ q a um circuito em paralelo?
Pois, as analogias são válidas e talvez tenham sido elas que mudaram o mundo!

 

 

Vimos no texto anterior, a tabela verdade - reproduzida abaixo - que permite determinar o valor lógico de uma proposição composta, conhecendo-se os valores lógicos das proposições simples que a compõem.

p q pÙ q pÚ q p® q p« q
1 1 1 1 1 1
1 0 0 1 0 0
0 1 0 1 1 0
0 0 0 0 1 1

Nota: valor lógico verdadeiro = 1 ou V
valor lógico falso = 0 ou F

Podemos observar que é muito fácil entender (e o nosso intelecto admitir) as regras contidas na tabela acima para a conjunção, disjunção e equivalência, ou seja:
a conjunção "p e q" só é verdadeira quando p e q forem ambas verdadeiras.
A disjunção "p ou q" só é falsa quando p e q forem ambas falsas.
A bi-condicional só e falsa quando p e q possuem valores lógicos opostos.

Quanto à condicional "se p então q" , vamos analisá-la separadamente, de modo a facilitar o entendimento das regras ali contidas:

p q p® q
V V V
V F F
F V V
F F V

O raciocínio a seguir, será a base da nossa análise:
Se é dada uma proposição p e é possível fazer-se um raciocínio válido que nos conduza a outra proposição q, consideraremos que p
® q é verdadeira.
Visto isso, vamos analisar as quatro possibilidades contidas na tabela acima:

1º) p é V e q é V: somente através de um raciocínio válido é possível partir de uma proposição verdadeira para outra também verdadeira. Logo, p® q é verdadeira.

2º) p é V e q é F: não existe raciocínio válido capaz de , partindo-se de uma proposição verdadeira chegar-se a uma proposição falsa. Logo, neste caso, p® q é falsa.

3º) p é F e q é V: É possível partir de uma proposição falsa e chegar-se através de um raciocínio válido, a uma proposição verdadeira. Isto é um pouco difícil de entender, mas acompanhe o exemplo abaixo:
Sejam as proposições:
p: 10 = 5 (valor lógico F)
q: 15 = 15 (valor lógico V)
Através de um raciocínio válido, vamos mostrar que é possível a partir de p (falsa), chegar a q(verdadeira). Com efeito, se 10 = 5, então podemos dizer que 5 = 10. Somando membro a membro estas igualdades vem: 10+5 = 5+10 e portanto 15 = 15. Portanto a partir de p FALSA foi possível, através de um raciocínio válido chegar-se a q VERDADEIRA. Logo, p
® q é verdadeira

4º) p é F e q é F: É possível partir de uma proposição falsa e chegar-se através de um raciocínio válido, a uma proposição também falsa. Senão vejamos:
Sejam as proposições:
p: 10 = 5 (valor lógico F)
q: 19 = 9 (valor lógico F)

Através de um raciocínio válido, vamos mostrar que é possível a partir de p FALSA, chegarmos a q também FALSA. Com efeito, se 10 = 5, então, subtraindo uma unidade em cada membro, obteremos 9 = 4. Somando agora membro a membro estas duas igualdades, obtemos 10+9 = 5+4 e portanto 19 = 9, que é a proposição q dada. Logo, p® q é verdadeira (V).

Exercícios:

1) Sendo p uma proposição verdadeira e q uma proposição falsa, qual o valor lógico da proposição composta r: (pÙ ~ q) ® q ?

Solução: Teremos, substituindo os valores lógicos dados: p = V , q = F e ~q = V .
r: (V
Ù V) ® F , logo, pelas tabelas acima vem: r: V ® F e portanto r é falsa. Valor lógico F ou 0.

2) Qual das afirmações abaixo é falsa?
a) se Marte é um planeta então 3 = 7 - 4.
b) a soma de dois números pares é um número par e 72 = 49.
c) 3 = 5 se e somente se o urso é um animal invertebrado.
d) se 102 = 100 então todo número inteiro é natural.
e) 2 = 32 - 7 ou a Terra é plana.

Analisando os valores lógicos das proposições simples envolvidas e usando-se as tabelas anteriores, concluiremos que apenas a proposição do item (d) é falsa, uma vez que 102 = 100 é V e "todo número inteiro é natural" é F ( o número negativo -3 por exemplo é inteiro, mas não é natural) . Portanto, temos V ® F , que sabemos ser falsa. (Veja a segunda linha da tabela verdade acima).

 

Resumo da Teoria

1 - Tautologias e Contradições

Considere a proposição composta s: (pÙ q) ® (pÚ q) onde p e q são proposições simples
lógicas quaisquer. Vamos construir a tabela verdade da proposição s :
Considerando-se o que já foi visto até aqui, teremos:

p

q

pÙ q

pÚ q

(pÙ q) ® (pÚ q)

V

V

V

V

V

V

F

F

V

V

F

V

F

V

V

F

F

F

F

V

Observe que quaisquer que sejam os valores lógicos das proposições simples p e q, a proposição composta s é sempre logicamente verdadeira. Dizemos então que s é uma TAUTOLOGIA.
Trazendo isto para a linguagem comum, considere as proposições: p: O Sol é um planeta
(valor lógico falso - F) e q: A Terra é um planeta plano (valor lógico falso - F), podemos concluir que a proposição composta "
Se o Sol é um planeta e a Terra é um planeta plano então o Sol é um planeta ou a Terra é um planeta plano" é uma proposição logicamente verdadeira.

Opostamente, se ao construirmos uma tabela verdade para uma proposição composta, verificarmos que ela é sempre falsa, diremos que ela é uma CONTRADIÇÃO.
Ex.: A proposição composta t: p
Ù ~p é uma contradição, senão vejamos:

p

~p

pÙ ~p

V

F

F

F

V

F

NOTA: Se uma proposição composta é formada por n proposições simples, a sua tabela verdade possuirá 2n linhas.
Ex.: Construa a tabela verdade da proposição composta t: (p
Ù q) Ú r
Teremos:

p

q

r

(pÙ q)

(pÙ q) Ú r

V

V

V

V

V

V

V

F

V

V

V

F

V

F

V

V

F

F

F

F

F

V

V

F

V

F

V

F

F

F

F

F

V

F

V

F

F

F

F

F

Observe que a proposição acima não é Tautologia nem Contradição.

Apresentaremos a seguir, exemplos de TAUTOLOGIAS, as quais você poderá verifica-las, simplesmente construindo as respectivas tabelas verdades:

Sendo p e q duas proposições simples quaisquer, podemos dizer que as seguintes proposições compostas, são TAUTOLOGIAS:

1) (pÙ q) ® p
2) p ® (pÚ q)
3) [pÙ (p® q)] ® q (esta tautologia recebe o nome particular de "modus ponens")
4) [(p
® q) Ù ~q] ® ~p (esta tautologia recebe o nome particular de "modus tollens")

Você deverá construir as tabelas verdades para as proposições compostas acima e comprovar que elas realmente são tautologias, ou seja, na última coluna da tabela verdade teremos V V V V.

NOTAS:
a) as tautologias acima são também conhecidas como regras de inferência.
b) como uma tautologia é sempre verdadeira, podemos concluir que a negação de uma tautologia é sempre falsa, ou seja, uma contradição.

2 - Álgebra das proposições

Sejam p , q e r três proposições simples quaisquer, v uma proposição verdadeira e f uma proposição falsa. São válidas as seguintes propriedades:

a) Leis idempotentes
p
Ù p = p
p
Ú p = p

b) Leis comutativas
pÙ q = qÙ p
p
Ú q = qÚ p

c) Leis de identidade
p Ù v = p
p
Ù f = f
p
Ú v = v
p
Ú f = p

d) Leis complementares
~(~p) = p (duas negações eqüivalem a uma afirmação)
p
Ù ~p = f
p
Ú ~p = v
~v = f
~f = v

e)Leis associativas
(p
Ù q)Ù r = pÙ (qÙ r)
(p
Ú q)Ú r = pÚ (qÚ r)

f) Leis distributivas
pÙ (qÚ r) = (pÙ q) Ú (pÙ r)
p
Ú (qÙ r) = (pÚ q) Ù (pÚ r)

g) Leis de Augustus de Morgan
~(pÙ q) = ~p Ú ~q
~(p
Ú q) = ~p Ù ~q

h) Negação da condicional
~(p
® q) = pÙ ~q

Todas as propriedades acima podem ser verificadas com a construção das tabelas verdades.
Vamos exemplificar verificando a propriedade do item (h):
Para isto, vamos construir as tabelas verdades de ~(p
® q) e de pÙ ~q :

Tabela1:

p

q

p® q

~(p® q)

V

V

V

F

V

F

F

V

F

V

V

F

F

F

V

F

Tabela 2:

p

q

~q

pÙ ~q

V

V

F

F

V

F

V

V

F

V

F

F

F

F

V

F

Observando as últimas colunas das tabelas verdades 1 e 2 , percebemos que elas são iguais, ou seja, ambas apresentam a seqüência F V F F , o que significa que ~(p® q) = pÙ ~q .

Exs.:
1) Qual a negação da proposição composta: "Eu estudo e aprendo"?
Do item (g) acima, concluímos que a negação procurada é: "Eu não estudo ou não aprendo".

2) Qual a negação da proposição "O Brasil é um país ou a Bahia é um estado" ?
Do item (g) acima, concluímos que a negação é: "O Brasil não é um país e a Bahia não é um estado".

3) Qual a negação da proposição: "Se eu estudo então eu aprendo" ?
Conforme a propriedade do item (h) acima, concluímos facilmente que a negação procurada é: "Eu estudo e não aprendo"

 

Dado um conjunto de proposições P1, P2 , P3 , ... , Pn , Q (simples ou compostas) chama-se ARGUMENTO à proposição composta S : ( P1 Ù P2 Ù P3 Ù ... Ù Pn ) ® Q .
As proposições P1, P2 , P3 , ... , Pn são denominadas PREMISSAS e a proposição Q é denominada CONCLUSÃO.
Costuma-se representar um argumento, também da forma simplificada:
P1, P2 , P3 , ... , Pn
\ Q , onde o símbolo \ significa "logo" ou "de onde se deduz " .

O argumento S : ( P1
Ù P2 Ù P3 Ù ... Ù Pn ) ® Q será VÁLIDO se e somente se a proposição composta 
s : ( P1
Ù P2 Ù P3 Ù ... Ù Pn ) ® Q for uma TAUTOLOGIA, ou seja, a última coluna da sua TABELA VERDADE só contiver o valor lógico verdadeiro (V). Caso contrário, o argumento não será válido e será denominado FALÁCIA.

Consideremos o seguinte exemplo de argumento:

Se chove então faz frio.
Não chove,
Logo, não faz frio.

Este argumento é válido? Vejamos:

Sejam as proposições:
p: " chove "
q: " faz frio "
Claro que a proposição "não chove" será ~p (a negação de p) e "não faz frio" será ~q (a negação de q). Poderemos então escrever o argumento na forma simbólica indicada acima:

s: [(p
® q) Ù ~p] ® ~q

Para saber se o argumento apresentado é válido ou não, teremos que construir a tabela verdade da proposição composta
s: [(p
® q) Ù ~p] ® ~q.

 

p

q

~p

~q

p® q

[(p ® q) Ù ~p

s

V

V

F

F

V

F

V

V

F

F

V

F

F

V

F

V

V

F

V

V

F

F

F

V

V

V

V

V

Como a proposição composta
s: [(p
® q) Ù ~p] ® ~q não é uma Tautologia (apareceu um F na terceira linha da última coluna), concluímos que o argumento dado não é válido. O argumento é, portanto, uma FALÁCIA.

Vamos agora considerar o seguinte argumento:

Se chove então faz frio.
Não faz frio.
Logo, não chove.


Este argumento é válido? Vejamos:

Sejam as proposições:
p: " chove "
q: " faz frio "
Claro que a proposição "não chove" será ~p (a negação de p) e "não faz frio" será  ~q (a negação de q). Poderemos então escrever o argumento na forma simbólica:

s: [(p
® q) Ù ~q] ® ~p

Para saber se o argumento apresentado é válido ou não, teremos que construir a tabela verdade da proposição composta
s: [(p
® q) Ù ~q] ® ~p .

 

p

q

~p

~q

p ® q

[(p ® q) Ù ~q

s

V

V

F

F

V

F

V

V

F

F

V

F

F

V

F

V

V

F

V

F

V

F

F

V

V

V

V

V


Como a proposição composta
s: [(p
® q) Ù ~q] ® ~p é uma Tautologia (só aparece V na última coluna), concluímos que o argumento dado é válido.

Este tipo de problema se complica um pouco quando o número de premissas aumenta, pois com duas premissas, a tabela verdade conterá 22 = 4 linhas, com três premissas, a tabela verdade conterá 23 = 8 linhas e assim sucessivamente. Com quatro premissas, a tabela verdade conterá 24 = 16 linhas; imagine 10 premissas! 
A tabela verdade conteria 210 = 1024 linhas. Aí, só os computadores resolveriam ...

Considere outro exemplo, agora com 3 premissas:

Se o jardim não é florido então o gato mia.
Se o jardim é florido então o passarinho não canta.
O passarinho canta.
Logo, o jardim é florido e o gato mia.


Sejam as proposições:

p: " o jardim não é florido"
q: " o gato mia"
r: " o pássaro canta"
Poderemos escrever o argumento na seguinte forma simbólica:

s : [(p
® q) Ù (~ p ® ~ r) Ù r ] ® ( ~ p Ù q )

Teremos, com base nos nossos conhecimentos anteriores:
 

p

q

r

~ r

~p Ù q

p ® q

~p

~p ® ~ r

[(p ® q) Ù (~p ® ~ r) Ù ( ~ r )

s

V

V

V

F

F

V

F

V

F

V

V

V

F

V

F

V

F

V

V

F

V

F

V

F

F

F

F

V

F

V

V

F

F

V

F

F

F

V

F

V

F

V

V

F

V

V

V

F

F

V

F

V

F

V

V

V

V

V

V

V

F

F

V

F

F

V

V

F

F

V

F

F

F

V

F

V

V

V

V

F

Como o argumento s não é uma Tautologia (apareceu F na última coluna) , o argumento não é válido.

Notas:
1 – o entendimento da tabela verdade acima, requer muita atenção.
2 – neste tipo de exercício, não devemos usar a intuição, somente. A construção da tabela verdade é uma necessidade imperiosa, embora possa parecer muito trabalhosa.
3 – recomendamos enfaticamente, imprimir o arquivo e analisar criteriosamente a tabela verdade.

Agora resolva estes:

1 - Se o jardim não é florido então o gato mia.
O gato não mia.
Logo, o jardim é florido.
Resposta: o argumento é válido.

Veja no diagrama abaixo que onde o gato não mia é sempre florido



2 - Se o jardim não é florido então o gato não mia.
O jardim é florido.
Logo, o gato mia.
Resposta: o argumento não é válido. 

Veja no diagrama abaixo que existe jardim sem gato que mia



Webmaster
Malthus

Este site está sendo monitorado, como parte dos Trabalhos do Professor
Malthus Fonseca Galvão
Todas as ações implementadas neste site ficam gravadas em um banco de dados
com finalidade de pesquisas e melhorias do sistema.

©Os direitos autorais deste Sítio são protegidos pela Lei 9610 de 19/02/1998. Todos os programas de computador, métodos e bancos de dados utilizados neste Sítio foram desenvolvidos pelo Prof. Malthus Galvão. O conteúdo é propriedade dos respectivos autores. Toda violação destes direitos de propriedade estará sujeita às penalidades prescritas em lei.
Este sítio está em constante remodelação e pode conter erros!!!