Email: Senha: Esqueci a senha 

Você pode utilizar todas as imagens e textos deste site (sem fins comerciais). Leia no rodapé as condições de uso.


Tópico anterior Tópico atual Próximo tópico
Som Lesões corporais Físicos - Mecânicos

28 68
abrir box

Índice
Lesões corporais
Físicos - Mecânicos
Explosão
Sequelas
Lesões em assinatura
Químicos
Biodinâmico
Lesões especiais
Hemorragia
Reação Vital  

 
 
   
  • Lesão corporal é definida como toda ofensa
    • morfológica ou
    • fisiológica ou
    • psicológica

Físicos - Mecânicos

   
  • Decorrentes da energia cinética
    • Movimento
    • MV2/2
  • Lesões produzidas pela "desaceleração" do instrumento


Físicos - Mecânicos == Etimologia dos instrumentos ==

Etimologia dos instrumentos
Início da transcrição

Fonte: https://origemdapalavra.com.br/artigo/coisas-que-espetam/

--------------------------------------
AGUDO  –  do Latim acutus, “pontudo, aguçado”, de acuere, “fazer ponta em”.
O sentido médico de “moléstia que surge e desaparece repentinamente”, em oposição a “crônico”, começou ao redor de 1660.
Usa-se figurativamente em relação a uma inteligência que penetra uma situação como se atravessasse barreiras.

ACUIDADE  –  também de acutus; pode referir-se à inteligência, como citamos na última
frase, ou à capacidade de órgãos sensoriais ou mesmo aparelhos de medida.

PONTUDO  –  do Latim punctum, particípio passado de pungere, “fincar, espetar”. Este verbo originou nossa palavra pungente, “aquilo que desperta uma sensação física aguda, intensa”.

AFIADO  –  do Latim affilare, de ad-, “a”, mais filum, “fio”. Ou seja, fazer algo se assemelhar a um fio, estreitar a ponto de tornar cortante.

CORTANTE  –  do Latim curtare, “encurtar, reduzir, cortar”, de curtum, “curto”.

LÂMINA  –  do Latim lamina, “folha, camada, prato, peça achatada de metal”, de origem anterior desconhecida.

ARESTA  –  do Latim arista, “barba de espiga de trigo, aresta”, pela capacidade cortante daquela.

ESPINHO  –  do Latim spina, “espinho”. Passou a significar também em Latim, mais tarde, “coluna vertebral”, daí a nossa espinha dorsal.

ACÚLEO  –  é aquele das rosas, que nos espeta quando levamos essas flores para nossas namoradas. Veio do Latim aculeus, “aguilhão, ferrão”, provavelmente por relação com acutus.

Favor não confundir “espinho” com “acúleo”; aquele é um órgão que vem do fundo do tronco ou galho e só pode ser arrancado lesionando a planta; o acúleo pode ser retirado sem dificuldade e sem maiores danos.

AGULHA  –  deriva do Latim acus, “agulha, alfinete”, e também se relaciona com acutum.

ALFINETE  –  veio do Árabe al-filed, “alfinete”, com provável mistura com a palavra “fino”.

PRESA  –  com o sentido de “dente canino de certos animais”, vem do Latim prehendere, “prender”, pois elas servem para prender o animal caçado na boca do predador.

FERRÃO  –  deriva do Latim ferrum, “ferro”, pois este metal se presta para fazer
instrumentos aguçados. 

AGUILHÃO  –  veio do Latim aquileo, um derivado de aculeus.

FINCAR  –  do Latim figicare, figicare“cravar, fincar”. O exército romano conjugava muito este verbo quando partia em campanha.

ESPETAR  –  atualmente um espeto serve basicamente para fazer churrasco. Mas espetar em outras épocas descrevia coisas desagradáveis que uma lança pode fazer com o corpo humano. Deriva do Gótico spitus, “espeto, pique”.


--------------------------------------
Final da transcrição

Fonte: https://origemdapalavra.com.br/artigo/coisas-que-espetam/


Explosão

                         
Explosões podem causar lesões contusas, térmicas e asfixia, entre outros.
Vítima de explosão de caminhão tanque de combustíveis.
Admitido duas horas após em ambiente hospitalar com Escala de Coma de Glasgow = 8, queimadura de 13,5% (conforme relatório médico), hemiface esquerda e membro superior direito e fratura exposta de membro inferior esquerdo.
Realizada tomografia computadorizada de tórax e abdome, contusão pulmonar à direita. Sedação, intubação orotraqueal e ventilação mecânica.
Instável hemodinamicamente, recebeu 5.000 ml de cristaloides, 5 bolsas de concentrado de hemácias e 2 de plasma fresco.
No mesmo dia da internação apresentou sete paradas cardiorrespiratórias em AESP (Atividade Elétrica Sem Pulso), a última refratária às manobras de reanimação.
Sequelas

           

Lesões em assinatura

                                                   
Lesões em assinatura são aquelas que permitem a indicação precisa do instrumento que a produziu. Muitas vezes necessário o histórico para o raciocínio e conclusão pericial.
Químicos
Meio químico

Químicos == Ácidos e Bases ==

Ácidos e Bases

                       
As lesões por agentes químicos podem ser causadas por ácidos ou bases (álcalis).

      A lesão produzida pelo ácido sulfúrico, H2SO4, também conhecido por água de vitríolo, consagrou-se como vitriolagem, termo empregado genericamente para qualquer lesão produzida por ácidos. Era muito comum a vitriolagem intencional como meio para produção de deformidades estéticas em crimes passionais.

        As lesões por agentes químicos também podem ser internas, principalmente no trato digestivo superior e na árvore traqueobrônquica.

        A síndrome de Mendelson é um exemplo de lesão pulmonar produzida, dentre outros, pelo ácido clorídrico, proveniente do próprio organismo, suco gástrico.
Químicos == Envenenamento ==

Envenenamento
.

Biodinâmico
Meio biodinâmico é aquele que
Lesões especiais


Lesões especiais == Espostejamento ==

Espostejamento

           
O Espostejamento é a divisão em partes menores das que ocorre no esquartejamento.

Espostejamento é reduzir a postas.
Lesões especiais == Decapitação ==

Decapitação

   
Tipo de lesão em que ocorre a separação da polo cefálico do corpo.
Lesões especiais == Degola ==

Degola

       
Lesão cervical posterior, geralmente produzida por instrumento corto-contundente ou cortante.
Lesões especiais == Esgorjamento ==

Esgorjamento

             
Lesão cervical lateral ou anterior, produzida geralmente por instrumento cortante ou até corto-contundente.
  • Causas de óbito
    • Choque hipovolêmico por lesão vascular
    • Parada cárdio-respiratória por lesão nervosa
    • Asfixia por entrada de sangue na árvore respiratória
    • Embolia gasosa por entrada de ar em grandes veias

Hemorragia
  • Conceito
    • Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
  • Classificação
    • Externas
      • gastrorragia: hemorragia gástrica
      • enterorragia: hemorragia intestinal (alguns conceituam enterorragia a eliminação anal de sangue vivo)
      • melena: evacuação de fezes escuras, pastosas e fétidas pela presença de sangue alterado pelas secreções gastrintestinais
      • hematêmese: sangue parcialmente digerido, eliminado sob forma de vômitos
      • otorragia: hemorragia pelo conduto auditivo externo
      • hemoptise: hemorragia proveniente dos pulmões ou de outras partes do trato respiratório
      • epistaxe: hemorragia que ocorre na mucosa nasal ou através das fossas nasais
      • hematúria: presença de sangue na urina
      • menstruação: sangramento uterino periódico, fisiológico, que ocorre em cada ciclo menstrual
        • menorragia ou hipermenorréia:  prolongada e/ou profusa, porém em intervalos normais
        • hipomenorréia: com duração e/ou quantidade menor que a normal, porém em intervalos normais
        • polimenorréia: com duração e quantidade normais, porém com freqüência aumentada (intervalos mais curtos)
        • oligomenoréia: com duração e quantidade normais, porém com freqüência diminuída (intervalos mais longos)
        • polimenorragia: quando a duração e/ou a quantidade e a freqüência estão aumentadas
        • amenorréia: .ausência de menstruação
      • metrorragia: hemorragia uterina anormal, acíclica
    • Internas
      • petéquia: ou hemorragia petequial - hemorragia minúscula na pele, mucosas ou serosas
      • equimose ou sufusão hemorrágica: hemorragia cutânea, mucosa ou serosa de dimensões maiores
      • hematoma: hemorragia maior, na qual o sangue não se difunde das malhas do tecido e forma uma coleção
      • bossa sanguínea: coleção sanguínea localizada sobre um plano ósseo fazendo saliência na superfície da pele
      • apoplexia (do gr. apoplexia + abater, cair): termo utilizado para indicar hemorragia que se dá na intimidade de um órgão (encéfalo, pâncreas, supra-renais) com destruição parcial deste e manifestações gerais súbitas e graves.
    • Cavidades pré-formadas
      • hemotórax: na cavidade pleural
      • hemopericárdio: no saco pericárdico
      • hemoperitônio: na cavidade peritonial
      • hemorragia ventricular ou intraventricular: nos ventrículos cerebrais
      • hemartrose: nas cavidades articulares
  • Etiopatogênese:
    • Com solução de continuidade da parede vascular ou cardíaca
      • ruptura ou laceração (são as mais freqüentes).
        • traumáticas - instrumentos contundentes, cortantes, perfurantes, etc
        • espontâneas
          • aneurismas
          • hematoma dissecantes da aorta
          • hipertensão arterial maligna
          • infarto transmural do miocárdio
          • diversas outras condições de fragilidade da parede vascular (inflamações, por exemplo)
      • erosão ou digestão da parede vascular
        • cavernas tuberculosas quando a necrose atinge a parede dos vasos
        • erosão vascular por neoplasias malignas
        • úlcera péptica em que o suco gástrico digere a parede do vaso
    • Sem solução de continuidade da parede vascular ou cardíaca ???
      • Em geral não se demonstram alterações capazes de explicar satisfatoriamente a saída das hemácias, que se dá nos pequenos vasos sanguíneos (hemorragia por diapedese???).
      • Esse tipo de hemorragia ocorre por aumento da pressão no interior de capilares e vênulas, como na congestão pulmonar, e por distúrbios da hemostasia, nas diáteses hemorrágicas.
    • Diáteses (do gr. diáthesis = arranjo, condição) hemorrágicas: são condições que favorecem hemorragias aparentemente espontâneas ou após traumatismos, devidas a defeitos na estrutura dos vasos sanguíneos, a alterações plaquetárias ou a transtornos da coagulação do sangue.
      • púrpuras
      • coagulopatias.
  • Conseqüências
    • Três fatores fundamentais:
      • quantidade de sangue perdido;
      • rapidez da perda;
      • local da hemorragia.
    • Perdas lentas de 10 a 20% podem não ter significação clínica.
    • Súbitas e maiores podem levar ao choque hipovolêmico.
    • Pequenas, localizadas no encéfalo, na medular das supra-renais ou no saco pericárdico podem levar a morte súbita.
    • Hemorragias externas pequenas, porém repetidas, acabam por determinar anemia por perda de ferro; entretanto, o mesmo não ocorre na mesma intensidade com hemorragias nos interstícios ou cavidades pré-formadas, visto que a transformação progressiva da hemoglobina permite a absorção e utilização de seus constituintes para formar novas hemácias.
    • Dependendo da extensão.da hemorragia, a bilirrubina produzida pelo catabolismo da hemoglobina pode impregnar os tecidos e provocar icterícia.
  • Fonte principal deste tópico: http://www.ccs.ufsc.br/patologia/cronograma/HemorragiaPTL5110.htm

Reação Vital

                                         
  • Identificação de reação vital
    • Presunção
      • Hemorragia
    • Certeza
      • Infiltração hemorrágica no trajeto
      • Grandes hemotórax e hemoperitôneos
      • Aspiração de sangue para o parênquima pulmonar
      • Volumoso coágulo pericárdico
      • Tempo de sobrevivência
        • reação inflamatória
          • congestão
          • edema
          • afluxo fagocitário



Webmaster
Malthus

Site de Apoio ao Processo Ensino Aprendizagem do
LOAFMEL
Laboratório de Odontologia e Antropologia Forenses e Medicina Legal
Faculdade de Medicina
Universidade de Brasília.

Coordenador: Professor Malthus Galvão
Este site é monitorado, está em constante complementação e pode conter erros.

Você pode utilizar o material à vontade, para montar uma aula, um caso para discussões com seus alunos, etc, seguindo os termos da licença. Aqui eu explico melhor

LOAFMEL - UnB by Malthus Fonseca Galvão is licensed under CC BY-NC-SA 4.0

Toda programação, métodos e bancos de dados utilizados em malthus.com.br© foram desenvolvidos pelo

Prof. Malthus Galvão.

Direitos autorais protegidos pela Lei 9610/98.